Skip to main content

Os Quilombos Artísticos Pedagógicos são os espaços de formação e criação do Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo. Aqui, pessoas indígenas e negras com atuações em diversas artes e áreas de pesquisa se encontram com o público para instaurar, de forma coletiva, processos de estudos e experimentações artísticas e pedagógicas.  

Pedagogias da Abundância 

Orientação: Joice Teixeira (SP), José Ricardo (RN) e Tatiane Henrique (RJ)
Data: 26 a 29 de outubro
Horário: 14h30 às 17h
Formato: online, atividade fechada para pessoas inscritas previamente
Local: Sesc Interlagos – Zoom

Público
Professoras/es, educadoras/es populares, arte/educadores, artistas, pesquisadoras/es do campo das artes, cultura e educação, estudantes de cursos de licenciaturas.

Vagas 50 

Critérios de seleção
Preferência para pessoas indígenas, negras, mães, trans, travestis e periféricas


Silêncio
veio no raio.
Os ossos voltados
para o mundo.
A família surgiu na
floresta rubra.
São pequenos de mãos
pequenas, adultos 

antes do tempo.
Os meninos criaram memória
antes de criarem cabelos.

Curiangu – Edmilson Pereira

O Quilombo Artístico Pedagógico: pedagogias da abundância, é um espaço de vivência dedicado a sonhar as infâncias e os direitos das crianças no cruzo entre os saberes indígenas e negros. Neste Quilombo Tatiana Henrique, Joice Teixeira e José Ricardo propõem o exercício ético, político, poético e pedagógico de tensionar os saberes hegemônicos que historicamente fundamentam o campo da educação e suas práticas, oportunizando um espaço de estudo sobre temas relacionados à educação, escola e infâncias, a partir da experimentação de pedagogias contra coloniais assentadas nas ciências e tecnologias ancestrais.

Nessa encruzilhada de saberes, será posto em evidência como as práticas educacionais podem atuar na manutenção ou na ruptura das violências históricas, sociais e culturais que, constituindo a sociedade brasileira, afetam as infâncias de inúmeras maneiras. Neste processo, epistemologias, cosmologias, ontologias e vivências indígenas e negras serão evocadas como fundamentos – conjunto de princípios no qual se assenta um sistema de pensamento – para uma prática educacional abundante,  capaz de semear nos solos da educação farturas que alimentam o corpo, os sonhos, a memória e as subjetividades das crianças com desejos e possibilidades de vida e de futuridade.

Joice Teixeira  Artista Educadora formada em Arte Educação pela Faculdade Paulista de Artes e em Arte Cênica pela Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo – EAD/ECA/USP. Ativista na política pública na luta para que as infâncias periféricas e afrodiaspóricas tenham o direito garantido às suas epistemologias, filosofias, narrativas e ontologias. Atualmente coordena a coletiva N’Kinpa – Núcleo de Culturas Negras e Periféricas e integra o corpo docente do Programa de Iniciação Artística – PIÁ na edição de 2021 na Área de Processos Artístico- Pedagógicos. 

Tatiana Henrique Mãe e Artista da Presença. Pesquisadora de tradições orais e contação de histórias. Arte Dramática – ETET Martins Penna; Doutoranda em Artes – UERJ. Atriz em audiovisual e espetáculos teatrais. Diretora em teatro e performance. Professora nos cursos de Pedagogia e Teatro da Faculdade Cesgranrio, RJ. Foi educadora em espaços culturais e professora na rede municipal do Rio de Janeiro. Co-autora do livro Propostas pedagógicas para o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira (Outras Letras), e Ei, Mulher!, registro cênico e crítico de performance homônima (Metanoia). Autora do infantojuvenil “Bulu” (Oríkì; no prelo). 

José Ricardo é ator, diretor de teatro, professor e pesquisador no programa de pós-graduação em artes cênicas da UFRN. Pertence a etnia tapuia-tarariú. Atualmente trabalha na coordenação de educação Indígena da prefeitura municipal de São Gonçalo do Amarante/RN.

Atenção

Esta atividade vai ocorrer via Zoom, por isso será necessário que todas as pessoas participantes baixem o aplicativo em seus dispositivos. 

Inscrições encerradas

Leave a Reply