Itaú Cultural

Ruth de Souza (1921-2019) mudou o percurso de nossas produções culturais. Dama do teatro, do cinema e da televisão, a atriz é essencial para contar a história do Brasil e da nossa cultura.

Em um país tão marcado pelo racismo estrutural, que persiste até hoje, Ruth, ao lado de outros atores e atrizes negros, soube atravessar esse sistema e ocupar os palcos e as telas, entendendo a importância de sua imagem na construção de um caminho que trouxesse representatividade e dignidade para a população negra brasileira.

O Itaú Cultural (IC) tem como parte de sua missão honrar e celebrar a memória de grandes artistas brasileiros, tendo já produzido a Ocupação Abdias Nascimento, em homenagem ao escritor e dramaturgo que idealizou o Teatro Experimental do Negro (TEN), grupo com o qual Ruth de Souza fez sua estreia no palco. 

A organização reforça seu compromisso ao celebrar o centenário de uma das maiores atrizes de nosso país por meio do apoio à terceira edição do Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo, sediando, entre diversas atividades, a abertura do evento, com um show transmitido ao vivo do Palco Itaú Cultural, em uma grande festa que presenteia Ruth de Souza com o reconhecimento que ela merece e a reunião de artistas que mantêm viva sua memória.

Para conhecer mais sobre o trabalho que o IC faz de valorização das produções brasileiras e acompanhar nossa programação, acesse o site itaucultural.org.br e a Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira.

Itaú Cultural

Oficina Cultural Oswald Andrade

“Quando eu morder

a palavra,

por favor,

não me apressem,

quero mascar,

rasgar entre os dentes,

a pele, os ossos, o tutano

do verbo,

para assim versejar

o âmago das coisas”

(…)

É o que nos diz Conceição Evaristo, no poema Da Calma e Do Silêncio, nos fazendo parar por um instante e refletir sobre a imensidão que há em cada palavra, repleta de significados e carregada de sensações. É da sabedoria da cena a habilidade com as palavras, que quando ditas são capazes de abrir um horizonte de possibilidades, chegando ao corpo do espectador para evocar imagens, memórias e desejos. Dona Ruth de Souza, no ato de dar vida às suas inúmeras personagens, a cada palavra dita corporificava um universo poético e político do qual é fundamental que se tenha lembrança. É com imensa satisfação que a Oficina Cultural Oswald de Andrade, um espaço reconhecido pelas encruzilhadas entre formação e criação, e que prioriza o campo da experimentação em diferentes linguagens artísticas, participa desta programação tão relevante para as artes da cena nacional, em homenagem à Dona Ruth de Souza. A Oficina Cultural Oswald de Andrade integra o programa Oficinas Culturais, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciado pela Poiesis. Por meio de dois Quilombos Artístico-pedagógicos, um voltado à crítica, através da análise de peças teatrais e performances contemporâneas negras e outro à pesquisa biográfica, o público terá a possibilidade de experienciar reflexões teóricas e práticas que circundam o universo da atriz. Além disso, partilharemos de um presente: Elisa Lucinda conta Dona Ruth de Souza numa experimentação cênica audiovisual, num enlace da poesia e do documento histórico. Que corpos negros no teatro possam evocar as ações criativas que desejarem. Celebramos em consonância com Dona Ruth: FTNSP as artes da cena, instrumento de conscientização e denúncia, que manifesta as identidades e os saberes ancestrais.

Valdir Rivaben, coordenador da Oficina Cultural Oswald de Andrade 

As Oficinas Culturais têm grande satisfação em participar deste Festival que já é um acerto por prestar a necessária exaltação à memória e à história de um dos maiores nomes do teatro brasileiro: Ruth de Souza. Entendemos o Teatro como território fértil para a transformação do mundo e das pessoas e é nesta perspectiva que reiteramos a nossa alegria em estarmos juntos nesta edição do Dona Ruth: FTNSP.

Thiago Saraiva, superintendente do programa Oficinas Culturais

MUSEU AFRO BRASIL